segunda-feira, 26 de julho de 2010

A arte de calar

CALAR SOBRE SUA PRÓPRIA PESSOA,
É HUMILDADE!

CALAR SOBRE OS DEFEITOS DOS OUTROS,
É CARIDADE!

CALAR QUANDO A GENTE ESTÁ SOFRENDO,
É HEROÍSMO!

CALAR DIANTE DO SOFRIMENTO ALHEIO,
É COVARDIA!

CALAR DIANTE DA INJUSTIÇA,
É FRAQUEZA!

CALAR QUANDO O OUTRO ESTÁ FALANDO,
É DELICADEZA!

CALAR, QUANDO O OUTRO ESPERA UMA PALAVRA,
É OMISSÃO!

CALAR, E NÃO FALAR PALAVRAS INÚTEIS,
É PENITÊNCIA!

CALAR, QUANDO NÃO HÁ NECESSIDADE DE FALAR,
É PRUDÊNCIA!

CALAR, QUANDO DEUS NOS FALA NO CORAÇÃO,
É SILÊNCIO!

CALAR DIANTE DO MISTÉRIO QUE NÃO ENTENDEMOS,
É SABEDORIA!

QUANDO NA ESCURIDÃO DA NOITE PROCURAMOS DEUS
E NÃO ENCONTRAMOS...

É PORQUE NÃO O PROCURAMOS
EM NOSSOS CORAÇÕES...

LEMBRE-SE QUE ELE JAMAIS ABANDONA
SEUS FILHOS!



                        

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Pessoas Difíceis

Encontrei esse artigo de Rita Foelker e gostaria de compartilhá-lo com você. Afinal quem ainda não encontrou alguém difícil?? Difícil, eu? Não, o outro!!

Definir uma pessoa difícil é uma questão bastante subjetiva. Este texto vai falar não somente de pessoas reconhecidamente difíceis, num determinado meio, mas na pessoa difícil para mim e para você, ou seja, aquela com que nós temos dificuldade de relacionamento, independente de como os outros a consideram.

Como reconhecê-las?
Bom, a arte de bem conviver com estas pessoas requer um talento diário para escolher palavras e ações, a cada situação. Então, podemos dizer que conviver com elas é mais trabalhoso que com as outras, e isto diferencia as pessoas difíceis das fáceis.

Com as pessoas fáceis, conseguimos ser mais naturais e espontâneos; com as difíceis, temos a tendência de nos “fechar”.
Com as pessoas fáceis, não tememos suas reações; com as difíceis...

Outra complicação é que nossa disposição íntima para a conciliação e a gentileza pode ser muito frágil, pois nos movemos muito rapidamente do bom para o mau humor. Se o vendedor não nos atende a contento, se ouvimos uma resposta ou comentário “atravessado”, o que acontece dentro de nós? Sentimos esta alteração de forma branda ou intensa?

Que fazer se nos encontramos com este Ser que representa um desafio diariamente, ou se dormimos sob o mesmo teto?

Analisando nossas emoções descobrimos, em nós mesmos, mais que no outro, a causa do mal-estar. E descobrimos que, em vez de reagir automaticamente à sua presença, com base no orgulho ou em velhos hábitos, podemos escolher como enfrentar a situação, como reagir e escolher até o modo como vamos nos sentir perto dele.
A família é onde verificamos constantemente os efeitos de nossas escolhas e da falta de boas escolhas. Cada pessoa que compartilha nossa vida é um convite para colocar em ação certas qualidades morais. Então, podemos perguntar, como sugere Cynthia, uma amiga espiritual: O que a proximidade deste ser humano me convida a exercitar?

Experimente um destes pensamentos:

1. Temos um modo dualista de encarar todas as situações, estabelecendo certo ou errado, bom ou mau, ele ou eu, mas não precisamos enxergar oposição em tudo. Não precisa haver sempre um vencedor e um perdedor, alguém com razão e outro sem.

2. Agir com o propósito de melhorar o convívio não significa que vamos mudar para nos adequarmos ao outro. Mas quando uma pessoa difícil é alguém importante em nossas vidas, o exercício da aceitação e da aproximação precisa ser consciente e ininterrupto.

3. O que as pessoas difíceis de nossa vida têm em comum? Uma imagem muito negativa que fizemos dela, criada com características intoleráveis para nós. Mas, seriam apenas estas? Não haveria qualidades que ainda não percebemos?

Lembremos de que pessoas tipicamente rabugentas, implicantes, impacientes ou cheias de manias utilizam este tipo de atitude para negar ou mascarar seu próprio sofrimento. Ou seja, embora possa parecer o contrário, elas também não estão felizes, não estão bem consigo mesmas e necessitam de ajuda.

Será que há algo que podemos fazer?

Rita Foelker

Casa do Caminho

Em viagem à Minas Gerais em 2007, conheci um Hospital abençoado na cidade de Araxá. Chama-se Hospital Casa do Caminho. Esse Hospital vive de doações e faz um trabalho MARAVILHOSO! 
Quando lá chegamos fomos recebidos pelo irmão Tadeu, fundador do Hospital. Uma pessoa que dedicou a sua vida junto a alguns companheiros ao auxílio e amor ao próximo!

Às vezes ficamos esperando uma oportunidade de ajudar alguém. Talvez seja essa a sua oportunidade!! 
Conheça o Hospital e seu trabalho guiado pelo Tadeu e seus companheiros no site: www.casacaminho.com.br 

Em outras oportunidades falarei mais sobre isso aqui, mas não perca tempo, ajude!!  

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Não Te Escondas


"Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder a cidade edificada sobre um monte." - Mateus, cap. 5- v. 14

  Os discípulos do Senhor são chamados, em todos os tempos, a refletir-lhe a luz nos vales escuros da humana provação, norteando os que se encontram vagando sem rumo certo.
  Pontos de referência espiritual para a Humanidade, os seguidores do Evangelho sempre serão alvo dos que pretendem manter os homens presos à sombra da própria ignorância.
  Qual aconteceu ao Cristo, a Luz do Mundo, os adversários da fé haverão de perseguir, sem trégua, os que ousam acender diminuto lume nos caminhos trevosos da Terra.
  Quando começarem a despontar nas tarefas do bem a que se entregam, é natural, pois, que sintam o recrudescimento das dificuldades em forma de intolerância e perturbação...
  É que a sua ação emancipadora de consciências incomodará os que, estejam no corpo ou fora dele, laboram para que o espírito não se afaste da mesmice secular nas sendas da evolução.
  Quais crianças inconsequentes que intentam, a pedradas, quebrar a lâmpada suspensa no poste, atirarão calhaus sobre os que lutam para serem fiéis ao Senhor, Fonte de Excelsa Claridade, inacessível a qualquer trama do mal.
  Se já te encontras lúcido quanto aos deveres que te cabe desempenhar na construção do Reino Divino sobre a Terra, não te escondas...
  Não eclipses a luz, que resplandece em ti, com receio de que venhas a sofrer assédio das trevas.
  Quem se habitua à escuridão em que se ilude torna-se naturalmente refratário ao esplendor da Verdade.
  Porque temas a hora do testemunho, não camufles, confundindo-te com as sombras, para que não sejas identificado pelos que lhes são subservientes.
  Sobretudo, não comprometas em ti a luz do idealismo, fazerndo enganosas concessões a transitórios interesses e caprichos meramente humanos.
  Não corrompas e  nem te permitas corromper, no anseio da luminosidade que ainda não possuís no espírito.
  Contenta-te em ser anônimo espelho com a face voltada para o Sol. refletindo-lhe a grandeza...
  Um dia, de tanto irradiar a Luz que originalmente não te pertence, quando a noite da provação se adensar À tua volta, te surpreenderás brilhando e, então, saberás que, pelo continuado esforço de refletí-la, terminaste por absorvê-la.

do livro Ramos da Videira
de Carlos A. Baccelli/ Irmão José

Ser feliz II

             Durante um seminário para casais, perguntaram a uma das esposas:
                  - "Seu marido lhe faz feliz? Ele lhe faz feliz de verdade?"
                Neste momento, o marido levantou seu pescoço, demonstrando total segurança. Ele sabia que a sua esposa diria que sim, pois ela jamais havia reclamado de algo durante o casamento. Todavia, sua esposa respondeu a pergunta com um sonoro "NÃO", daqueles bem redondos!
                      - "Não, o meu marido não me faz feliz"! (Neste momento o marido já procurava a porta de saída mais próxima).
                   - "Meu marido nunca me fez feliz e não me faz feliz! Eu sou feliz". E continuou:

                 "O fato de eu ser feliz ou não, não depende dele; e sim de mim. Eu sou a única pessoa da qual depende a minha felicidade. Eu determino ser feliz em cada situação e em cada momento da minha vida, pois se a minha felicidade dependesse de alguma pessoa, coisa ou circunstância sobre a face da Terra, eu estaria com sérios problemas.
               Tudo o que existe nesta vida muda constantemente: o ser humano, as riquezas, o meu corpo, o clima, o meu chefe, os prazeres, os amigos, minha saúde física e mental. E assim eu poderia citar uma lista interminável.
                   Eu decido ser feliz! Se tenho hoje minha casa vazia ou cheia: sou feliz! Se vou sair acompanhada ou sozinha: sou feliz! Se meu emprego é bem remunerado ou não: eu sou feliz! Sou casada mas era feliz quando estava solteira. Eu sou feliz por mim mesma.
               As demais coisas, pessoas, momentos ou situações eu chamo de "experiências que podem ou não me proporcionar momentos de alegria e tristeza”. Quando alguém que eu amo morre, eu sou uma pessoa feliz num momento inevitável de tristeza. Aprendo com as experiências passageiras e vivo as que são eternas como amar, perdoar, ajudar, compreender, aceitar, consolar.
                    Há pessoas que dizem: hoje não posso ser feliz porque estou doente, porque não tenho dinheiro, porque faz muito calor, porque alguém me insultou, porque alguém deixou de me amar, porque eu não soube me dar valor, porque meu marido não é como eu esperava, porque meus filhos não me fazem felizes, porque meus amigos não me fazem felizes, porque meu emprego é medíocre e por aí vai
Amo a vida que tenho mas não porque minha vida é mais fácil do que a dos outros. É porque eu decidi ser feliz como indivíduo e me responsabilizo por minha felicidade. Quando eu tiro essa obrigação do meu marido e de qualquer outra pessoa, deixo-os livres do peso de me carregar nos ombros. A vida de todos fica muito mais leve. E é dessa forma que consegui um casamento bem sucedido ao longo de tantos anos.

                 Nunca deixe nas mãos de ninguém uma responsabilidade tão grande quanto a de assumir e promover sua felicidade!
                  SEJA FELIZ, mesmo que faça calor, mesmo que esteja doente, mesmo que não tenha dinheiro, mesmo que alguém tenha lhe machucado, mesmo que alguém não lhe ame ou não lhe dê o devido valor.

                        Peça apenas a Deus que lhe dê serenidade para aceitar as coisas que você não pode mudar, coragem para modificar aquelas que podem ser mudadas e sabedoria para conseguir reconhecer a diferença que existe entre elas.
 
NÃO REFLITA, APENAS.
MUDE! E SEJA FELIZ!

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Ser feliz...

O maior empreendedorismo de sua vida é:

SER FELIZ...

Você pode ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes,

Mas não esqueça de que sua vida é a maior empresa do mundo.

Só você pode evitar que ela vá a falência.

Há muitas pessoas que precisam, admiram e torcem por você.

Gostaria que você sempre se lembrasse de que ser feliz não é ter um céu sem tempestades, caminhos sem acidentes,trabalho sem fadigas, relacionamentos sem decepções.
  Ser feliz é encontrar força no perdão, esperança nas batalhas, segurança no palco do medo, amor nos desencontros.
Ser feliz não é apenas valorizar o sorriso, mas refletir sobre a tristeza.

Ser feliz não é apenas comemorar o sucesso, mas aprender lições nos fracassos.
Ser feliz não é apenas ter júbilo nos aplausos, mas encontrar alegria no anonimato.
Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar de todos os desafios, incompreensões e período de crise.
Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar um autor da própria história.

Ser feliz é atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito da sua alma.

Ser feliz é agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.
Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si mesmo.
Ser feliz é ter coragem para ouvir um “não”. Ser feliz é ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.
Ser feliz é deixar viver a criança livre, alegre e simples que mora dentro de cada um de nós.
Ser feliz é ter maturidade para falar “eu errei”.
Ser feliz é ter sensibilidade para expressar “eu preciso de você”
Desejo que a vida se torne um canteiro de oportunidades para você ser feliz...

E, quando você errar o caminho, recomece tudo de novo.

Pois assim você descobrirá que...

Ser feliz não é ter uma vida perfeita, mas usar as lágrimas para irrigar a tolerância.

Ser feliz é usar as pedras para refinar a paciência. Usar as falhas para esculpir a serenidade.
Ser feliz é usar os obstáculos para abrir as janelas da inteligência. Usar a dor para lapidar o prazer.
Jamais desista de si mesmo. Jamais desista das pessoas que você ama.



Jamais desista de ser feliz, pois a vida é um espectáculo imperdível.


Trecho do Livro de Augusto Cury

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Vocabulário para a Vida


Recebemos da vida belos presentes, não é? Mas às vezes esses presentes passam sem que a gente perceba por mais sensíveis que sejamos...


                                       
O texto a seguir foi retirado do livro: O Homem que Veio da Sombra de Luiz Gonzaga Pinheiro.

         Estava eu no computador, após ter visitado meus netos, Luiza, Letícia e Luan, e haver ensinado um pouco do dever de casa à primeira, quando me veio à cabeça a idéia de fazer um pequeno dicionário para que eles entendessem mais profundamente, sem a formalidade das regras gramaticais ou amarras filosóficas, o significado de algumas palavras importantes na vida de qualquer pessoa.

         Quem sabe um dia, quando forem adolescentes e tiverem oportunidade de ler o que eu escrevi, procurem raciocinar sobre as palavras lá contidas, e amando-as, as deixem entrar e morar em seus corações.
 
        Engraçado é que este exercício me levou a uma séria reflexão sobre a pobreza das palavras, notadamente quando queremos expressar nossos sentimentos. O que sentimos é imensamente mais belo e rico, de mais profundidade do que aquilo que conseguimos grafar.

        Parece que quanto mais simples somos em nossa comunicação, mas nos fazemos entender e mais tocamos a corda do sentimento de quem nos lê ou escuta.

        Foi por causa dessa reflexão sobre a simplicidade das palavras em nossa comunicação, que introduzi o texto abaixo neste livro, convidando os leitores para que também meditem nas palavras que utilizam, principalmente no relacionamento com quem amam.
    

Adeus: É quando o coração que parte deixa a metade com quem fica.

Amigo: É alguém que fica para ajudar quando todo mundo se afasta.

Amor ao próximo: É quando o estranho passa a ser o amigo que ainda não abraçamos.


Caridade: É quando a gente está com fome, só tem uma bolacha e reparte.

Carinho: É quando a gente não encontra nenhuma palavra para expressar o que sente e fala com as mãos, colocando o afago em cada dedo.

Cordialidade: É quando amamos muito uma pessoa e tratamos todo mundo da maneira que a tratamos.

Doutrinação: É quando a gente conversa com o Espírito colocando o coração em cada palavra.



Entendimento: É quando um velhinho caminha devagar na nossa frente e a gente estando apressado não reclama.

Evangelho: É um livro que só se lê bem com o coração.

Evolução: É quando a gente está lá na frente e sente vontade de buscar quem ficou para trás.

Fé: É quando a gente diz que vai escalar um Everest e o coração já o considera feito.

Filhos: É quando Deus entrega uma jóia em nossa mão e recomenda cuidá-la.

Fome: É quando o estômago manda um pedido para a boca e ela silencia.

Inimizade: É quando a gente empurra a linha do afeto para bem distante.

Inveja: É quando a gente ainda não descobriu que pode ser mais e melhor do que o outro.

Lágrima: É quando o coração pede aos olhos que falem por ele.

Lealdade: É quando a gente prefere morrer que trair a quem ama.

Mágoa: É um espinho que a gente coloca no coração e se esquece de retirar.

Maldade: É quando arrancamos as asas do anjo que deveríamos ser.

Mediunidade com Jesus: É quando a gente serve de instrumento em uma comunicação mediúnica e a música tocada parece um noturno de Chopin.

Morte: Quer dizer viagem, transferência ou qualquer coisa com cheiro de eternidade.

Netos: É quando Deus tem pena dos avós e manda anjos para alegrá-los.

Obsessor: É quando o Espírito adoece,manda embora a compaixão e convida a vingança para morar com ele.

Ódio: É quando plantamos trigo o ano todo e estando os pendões maduros a gente queima tudo em um dia.

Orgulho: É quando a gente é uma formiga e quer convencer os outros de que é um elefante.

Paz: É o prêmio de quem cumpre honestamente o dever.

Perdão: É uma alegria que a gente se dá e que pensava que jamais a teria.

Perfume: É quando mesmo de olhos fechados a gente reconhece quem nos faz feliz.

Pessimismo: É quando a gente perde a capacidade de ver em cores.

Preguiça: É quando entra vírus na coragem e ela adoece.

Raiva: É quando colocamos uma muralha no caminho da paz.

Reencarnação: É quando a gente volta para o corpo, esquecido do que fez, para se lembrar do que ainda não fez.



Saudade: É estando longe, sentir vontade de voar, e estando perto, querer parar o tempo.

Sexo: É quando a gente ama tanto que tem vontade de morar dentro do outro.

Simplicidade: É o comportamento de quem começa a ser sábio.

Sinceridade: É quando nos expressamos como se o outro estivesse do outro lado do espelho.

Solidão: É quando estamos cercado por pessoas, mas o coração não vê ninguém por perto.

Supérfluo: É quando a nossa sede precisa de um gole de água e a gente pede um rio inteiro.

Ternura: É quando alguém nos olha e os olhos brilham como duas estrelas.

Vaidade: É quando a gente abdica da nossa essência por outra, geralmente pior.





Contribua comigo para aumentarmos este Vocabulário da Vida!! Quem começa???

quarta-feira, 7 de julho de 2010

RECEITAS DE OLHAR


Para um minutinho...


é um convite à simplicidade


agradeça


momento de olhar


detalhes


a vida passa lá fora...

E esse tal silêncio, hein??

Lembra-te de usar o silêncio
Quando ouvir palavras infelizes.
Quando alguém está irritado.
Quando a maledicência te procura.
Quando a ofensa te golpeia.
Quando alguém se encoleriza.

Quando a crítica te fere.
Quando escutas uma calúnia.

Quando a ignorância te acusa.
Quando o orgulho te humilha.
Quando a vaidade te provoca.

O silêncio é a gentileza do perdão
que se cala e espera o tempo,
por isso é uma poderosa ferramenta
para construir e manter a PAZ.


Lembre-se que quando a tempestade se manifesta a natureza emudece!

A Paz Que Trago Em Meu Peito

Qual é a paz que buscamos? Quando nos sentimos em paz? Quem ou o quê nos tira a nossa Paz?
Recebi esta mensagem e partilho com você essa busca constante, esse embate que travamos conosco diariamente, o encontro,  e mais: a manutenção da nossa PAZ!


"A paz que trago hoje em meu peito é diferente da paz que eu sonhei um dia...
Quando se é jovem ou imaturo, imagina-se que ter paz é poder fazer o que se quer, repousar, ficar em silêncio e jamais enfrentar uma contradição ou uma decepção.
Todavia, o tempo vai nos mostrando que a paz é resultado do entendimento de algumas lições importantes que a vida nos oferece.
A paz está no dinamismo da vida, no trabalho, na esperança, na confiança, na fé...
Ter paz é ter a consciência tranqüila, é ter certeza de que se fez o melhor ou, pelo menos, tentou...
Ter paz é assumir responsabilidades e cumpri-las, é ter serenidade nos momentos mais difíceis da vida.
Ter paz é ter ouvidos que ouvem, olhos que vêem e boca que diz palavras que constroem.
Ter paz é ter um coração que ama...
Ter paz é brincar com as crianças, voar com os passarinhos, ouvir o riacho que desliza sobre as pedras e embala os ramos verdes que em suas águas se espreguiçam...
Ter paz é não querer que os outros se modifiquem para nos agradar, é respeitar as opiniões contrárias, é esquecer as ofensas.
Ter paz é aprender com os próprios erros, é dizer não quando é não que se quer dizer...
Ter paz é ter coragem de chorar, ou de sorrir quando se tem vontade...
É ter forças para voltar atrás, pedir perdão, refazer o caminho, agradecer...
Ter paz é admitir a própria imperfeição e reconhecer os medos, as fraquezas, as carências...
                              


A paz que hoje trago em meu peito é a tranqüilidade de aceitar os outros como são, e a disposição para mudar as próprias imperfeições.
É a humildade para reconhecer que não sei tudo e aprender até com os insetos...
É a vontade de dividir o pouco que tenho e não me aprisionar ao que não possuo.
É melhorar o que está ao meu alcance, aceitar o que não pode ser mudado e ter lucidez para distinguir uma coisa da outra.
É admitir que nem sempre tenho razão e, mesmo que tenha, não brigar por ela.
A paz que hoje trago em meu peito é a confiança naquele que criou e governa o mundo... A certeza da vida futura e a convicção de que receberei, das leis soberanas da vida, o que a elas tiverem oferecido. 
Às vezes, para manter a paz que hoje mora em teu peito, é preciso usar um poderoso aliado chamado silêncio."



terça-feira, 6 de julho de 2010

Prece Dominical

Nosso Pai

Que estás em toda parte;

Santificado seja o Teu nome, no louvor de todas as criaturas.

Venha a nós o Teu reino de Amor e sabedoria;

Seja feita a Tua vontade, acima de nossos desejos;

Tanto na Terra quanto nos círculos espitiruais;

O pão nosso do corpo e da mente dá-nos hoje;

Perdoa as nossas dívidas ensinando-nos a perdoar

nossos devedores no esquecimento de todo o mal;

Não permitas que venhamos a cair sob os golpes da tentação

de nossa própria inferioridade;

livra-nos do mal que ainda reside em nós mesmos;

Porque só em Ti brilha a Luz eterna do reino e do poder,

da glória e da paz,

da justiça e do Amor.


Assim seja.


Emmanuel