sexta-feira, 16 de julho de 2010

Pessoas Difíceis

Encontrei esse artigo de Rita Foelker e gostaria de compartilhá-lo com você. Afinal quem ainda não encontrou alguém difícil?? Difícil, eu? Não, o outro!!

Definir uma pessoa difícil é uma questão bastante subjetiva. Este texto vai falar não somente de pessoas reconhecidamente difíceis, num determinado meio, mas na pessoa difícil para mim e para você, ou seja, aquela com que nós temos dificuldade de relacionamento, independente de como os outros a consideram.

Como reconhecê-las?
Bom, a arte de bem conviver com estas pessoas requer um talento diário para escolher palavras e ações, a cada situação. Então, podemos dizer que conviver com elas é mais trabalhoso que com as outras, e isto diferencia as pessoas difíceis das fáceis.

Com as pessoas fáceis, conseguimos ser mais naturais e espontâneos; com as difíceis, temos a tendência de nos “fechar”.
Com as pessoas fáceis, não tememos suas reações; com as difíceis...

Outra complicação é que nossa disposição íntima para a conciliação e a gentileza pode ser muito frágil, pois nos movemos muito rapidamente do bom para o mau humor. Se o vendedor não nos atende a contento, se ouvimos uma resposta ou comentário “atravessado”, o que acontece dentro de nós? Sentimos esta alteração de forma branda ou intensa?

Que fazer se nos encontramos com este Ser que representa um desafio diariamente, ou se dormimos sob o mesmo teto?

Analisando nossas emoções descobrimos, em nós mesmos, mais que no outro, a causa do mal-estar. E descobrimos que, em vez de reagir automaticamente à sua presença, com base no orgulho ou em velhos hábitos, podemos escolher como enfrentar a situação, como reagir e escolher até o modo como vamos nos sentir perto dele.
A família é onde verificamos constantemente os efeitos de nossas escolhas e da falta de boas escolhas. Cada pessoa que compartilha nossa vida é um convite para colocar em ação certas qualidades morais. Então, podemos perguntar, como sugere Cynthia, uma amiga espiritual: O que a proximidade deste ser humano me convida a exercitar?

Experimente um destes pensamentos:

1. Temos um modo dualista de encarar todas as situações, estabelecendo certo ou errado, bom ou mau, ele ou eu, mas não precisamos enxergar oposição em tudo. Não precisa haver sempre um vencedor e um perdedor, alguém com razão e outro sem.

2. Agir com o propósito de melhorar o convívio não significa que vamos mudar para nos adequarmos ao outro. Mas quando uma pessoa difícil é alguém importante em nossas vidas, o exercício da aceitação e da aproximação precisa ser consciente e ininterrupto.

3. O que as pessoas difíceis de nossa vida têm em comum? Uma imagem muito negativa que fizemos dela, criada com características intoleráveis para nós. Mas, seriam apenas estas? Não haveria qualidades que ainda não percebemos?

Lembremos de que pessoas tipicamente rabugentas, implicantes, impacientes ou cheias de manias utilizam este tipo de atitude para negar ou mascarar seu próprio sofrimento. Ou seja, embora possa parecer o contrário, elas também não estão felizes, não estão bem consigo mesmas e necessitam de ajuda.

Será que há algo que podemos fazer?

Rita Foelker

Um comentário:

  1. Parabéns pela Iniciativa !!!! Seu link já está presente na seção Blogs Espíritas do meu blog Ne quid nimis. Qualquer coisa que vc precisar, dúvidas, sugestões pode contar comigo!
    Um abraço fraterno e muita luz
    Semíramis Alencar

    ResponderExcluir

Nós sempre precisamos de amigos.
Gente que seja capaz de nos indicar direções, despertar o que temos de melhor e ajudar a retirar os excessos que nos tornam pesados.
É bom ter amigos.
Eles são pontes que nos fazem chegar aos lugares mais distantes de nós mesmos.

Seja sempre bem vindo, amigo(a).