sexta-feira, 17 de agosto de 2012

E quando o amor acaba?


E quando acaba o amor o que resta?


Depende, é a resposta acertada.

Depende de como foi construída a relação, depende dos sujeitos envolvidos, depende dos valores de cada um, da forma como pensam a vida...

Conheço descasamentos admiráveis, poucos por certo.

Pessoas que percebem a impossibilidade de compartilhar a vida em comum. Percebem a falta de emoção, de desejo, de vontade de permanecer ao lado...

Em outros casos, os envolvidos até percebem que houve uma mudança, os hábitos foram alterados, a emoção acabou, mas a falta de amor por si é tão grande que permanecer ao lado do outro, passa a ser questão de honra.

A pessoa que se gosta não aceita dar sem receber, quando nos permitimos permanecer em uma relação em que a indiferença se faz presente, onde o silêncio faz morada, onde o cansaço é visível o diagnóstico é certo: Baixa auto-estima.

Quem não se gosta não consegue sair de uma relação que adoeceu. Procura o culpado, assume o papel de vítima, procura de todos os meios não encerrar o assunto e permanece atado às vibrações ruins.

O fim de uma relação sinaliza fim de um ciclo .Caso queiramos, poderemos dar início a um novo começo, novo cíclo, nova tentativa!

Sem acreditar na possibilidade de reconstruir, não será possível arriscar, sem tentativa não há realização, sem realização o homem fenece.

Fomos criados para produzir sempre, para gerar boas energias, para vencer a cada luta.

É fundamental para saúde emocional encarar a vida, buscar alternativas, encontrar saída.
Assim, quando acabar o amor, cada um estará pronto para começar a escrever um novo capítulo no livro da vida!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nós sempre precisamos de amigos.
Gente que seja capaz de nos indicar direções, despertar o que temos de melhor e ajudar a retirar os excessos que nos tornam pesados.
É bom ter amigos.
Eles são pontes que nos fazem chegar aos lugares mais distantes de nós mesmos.

Seja sempre bem vindo, amigo(a).